Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The art of living

E se eu não quiser ser mãe?

Mafalda, 03.05.20

Hoje foi dia da mãe, tivemos boa comida cozinhada por moi, momentos felizes passados à mesa e um dia que nos deixou o coração quentinho por dentro. Mas, é sempre nestes dias em que ouço toda a gente falar das suas mães com admiração que penso para mim que talvez não seja isso que quero para a minha vida.

Sou uma rapariga prática, há quem diga demasiado moderna, mas quando olho para o mundo de hoje, cheio de população a mais, onde as guerras, a fome e as coisas más existem, onde existem já tantas crianças que precisam de um lar sem ninguém que lhes queira dar, e com o ambiente que se encontra em estado de rotura (e pelos vistos tende a piorar), não é algo que me apele trazer mais uma alminha ao mundo.

Também já sei, que sim, mesmo no meio dessas coisas a criança podia ser feliz, podia até conseguir mudar o mundo. Mas, e se eu, não quiser ser mãe?

E se eu não quiser acordar de meia em meia hora quando o bebé chora, ou ficar acordada a noite toda quando a minha adolescente não chega a casa e já é tarde, ou ter de pensar numa pessoa extra quando quero ser espontânea e fazer planos em cima da hora para coisas que não a incluem?

A sociedade grita-me "egoísta", e, se ganhasse uma moedinha de cada vez que ouço "vais mudar de ideias" de certo que deste momento já estava nas Maldivas. Porque, por algum motivo, numa sociedade que não considero assim tão machista, é uma afronta quando uma mulher, simplesmente, não quer servir de incubadora a pequenas criaturas que vivem dentro de si. Em pleno século XXI choca as pessoas que uma mulher possa não querer ter filhos, porque *inserir aqui voz indignada e umas sobrancelhas muito levantadas* para que serve uma mulher se não para ser uma máquina de fazer pequenos humano?

Uma mulher serve para tudo o que uma mulher quiser. Serve para ser mãe (ou não), mas serve também para ser engenheira, política, cabeleireira, advogada, médica, electricista, lutadora de boxe, bailarina. Serve para levantar a voz quando o resto se cala. Uma mulher serve para trepar árvores e sentir o vento na cara, serve para esfolar os joelhos no asfalto ou para se vestir de princesa quando assim quiser. Serve para mudar o mundo.

Quando penso numa mulher, não penso se tem filhos ou não, penso na forma como mudou a minha vida, como tocou o meu coração.

E se eu não quiser ter filhos? Se não quiser, tenho a certeza que serei tão incrível como todas as outras mulheres!

 

*Mas, depois de tudo isto Feliz Dia da Mãe às guerreiras que decidiram embarcar nessa aventura, vocês são incríveis

 

57 comentários

Comentar post

Pág. 1/3